Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

Raquel Ralha e Pedro Renato apresentam “The Devil’s Choice, Vol.1”

Raquel Ralha e Pedro Renato trabalham juntos desde os tempos dos Belle Chase Hotel. Prosseguiram caminho com Azembla’s Quartet, Ellas e, mais recentemente, com Mancines. A convite do programa “Cover de Bruxelas” que passa semanalmente na Rádio Universidade de Coimbra, juntaram-se nos Estúdios Blue House, pela primeira vez, como um duo, para gravar três ‘covers’. Foi na frequência de 107.9 FM, a 11 de Dezembro de 2016, que ouvimos, pela primeira vez, as versões de “​Nerves” (Bauhaus), “Peek-A-Boo” (Siouxsie And The Banshees) e “Right Now” (Herbie Mann / Mel Tormé).

Esta “Cover de Bruxelas Session” foi o motor que deu arranque a “The Devil’s Choice Vol. 1” - disco integral de versões que foi editado dia 10 de Novembro de 2017, com o selo da Lux Records.

23231467_1729790557071922_3491837950380390205_n_preview

Cruzados os nossos caminhos há mais de vinte anos - e não tendo nós parado de trabalhar juntos desde então - chegou, finalmente, o momento de fazermos um registo de músicas que ouvimos numa fase longínqua das nossas vidas e que, por razões semelhantes, nos transmitiram algo de importante nesse crescimento. A minha ligação musical com o Pedro Renato tem cumplicidade e complementaridade inatas e, também por isso, este é um disco que nos traz uma satisfação pessoal muito particular. Uma selecção difícil e penosa que deixa muitos outros temas para uma possível sequela deste álbum. Aqui, a temática preponderante gira em torno da atracção pelo lado negro, porém fascinante, do que é esta coisa confusa, misteriosa e viciante de “viver”, “amar”, “ser”. Raquel Ralha

Com adolescências apaixonadas e pontuadas por milhares de músicas que ficaram gravadas nas nossas vidas, reduzir esse universo galáctico a 537000 estrelas musicais já não foi, por si só, uma tarefa fácil. A partir daí, para fazer um ‘podium’ com onze temas vencedores, não havia dúvida que teria de ser através de um rigoroso processo de "Venha o diabo e escolha...". Daí termos que lhe atribuir os devidos créditos no título desta compilação. Nasceu assim "The Devil's Choice vol.1". Volume 1 porque o justo seria dar a mesma oportunidade a tantos e tantos artistas igualmente importantes para nós e que ficaram em suspenso nesta primeira incursão no mundo das recriações musicais. Para eles, aqui vão as nossas desculpas; não foi culpa nossa, mas sim... The Devil's Choice! Pedro Renato

 

Dia 25 de Novembro o disco é apresentado em Lisboa no Sabotage.

 

Linda Martini e The Legendary Tigerman esgotam Cascais e Coimbra a dias de começar a tour de Rumble in The Jungle

Com​ o lançamento de​ novos álbuns agendado para 2018, The Legendary Tigerman e Linda Martini juntam-se para Rumble in The Jungle, uma digressão inédita que passará por Cascais e Coimbra (dois espectáculos esgotados), Braga, Viseu, Leiria, Porto, Alpedrinha, Évora e Torres Vedras, terminando a 21 de Dezembro no Coliseu dos Recreios, em Lisboa.​ ​

1510762778

​Ao longo de​ 10 concertos de norte a sul, dois dos maiores nomes do rock nacional colocam-se frente-a-frente, homenageando Rumble in The Jungle, o combate entre Muhammad Ali e George Foreman, no Zaire, a 29 de Outubro de 1974, que após 8 rounds consagrou Muhammed Ali vencedor.

 

Para o embate final no Coliseu dos Recreios estão preparadas ainda mais surpresas. Além do palco 360º,​ os​ ​Linda Martini apresentarão temas inéditos e ​será a estreia da formação que levará para a estrada “Misfit”, o disco de The Legendary Tigerman a lançar no início do próximo ano.​​

Tó Trips & João Doce e Jorge Coelho encerram com chave de ouro o ciclo As Guitarras Não Têm Saudade

Encerra este sábado o ciclo de concertos de guitarra promovido, este mês, pela Fundação Bissaya Barreto: três noites singulares com alguns dos mais desafiantes intérpretes de cordas nacionais. O dedilhado frenético e espontâneo de Tó Trips em conjunto com a percussão experimental e tribalista de João Doce, e os sons exploratórios pintalgados de harmonias folk do trabalho nas seis cordas de Jorge Coelho são as últimas duas propostas de um ciclo que ousou fazer-nos viajar pela qualidade e originalidade de alguns dos artistas portugueses que fazem das guitarras o local onde o futuro acontece.

GLAM - To Trips+Joao Doce.jpgphoto: Paulo Homem de Melo 

 

O encontro de Tó Trips e João Doce dá-se a meio caminho entre o álbum de estreia do primeiro e um café melancólico em Esmoriz. Se trazia a sua "Guitarra Makaka" e o imaginário do velho oeste, da boémia lisboeta, a tradição cubana a lembrar Marc Ribot dos seus Dead Combo, João trazia o compasso dado aos seus Wraygunn, onde talha o som da banda a machado sobre rolos de madeira. No encontro, dá-se o diálogo meticuloso, sensível e efusivo que resulta no primeiro disco em conjunto "Sumba". Tal como nesse sítio imaginário, no sábado, na Casa Museu Bissaya Barreto, o tempo não vai existir. Tudo é será contemplado, admirado, belo e impoluto.

 

A noite arranca com Jorge Coelho, um dos segredos mais mal guardados do panorama nacional. Músico de muitas aventuras, dos Cosmic City Blues aos Zen, à composição de bandas sonoras em parceria com Alexandre Soares ou Adolfo Luxúria Canibal. Actualmente podemos ouvir Jorge Coelho como guitarrista dos Torto, ao lado de Jorge Queijo e Miguel Ramos. A solo, como numa pausa, pousa a guitarra ao colo para divagar por entre um imaginário sem lugar para o entretenimento persuasivo. Com 3 discos editados, Jorge Coelho parece convencer-nos que a vida é um jogo de contínuas subidas e descidas de tom. O poema é agora a alegoria de um mundo dissonante, desenhado numa incerteza melódica tremendamente crua. O mesmo mundo que ecoar pela Casa Museu

 

Porque dia 18 de Novembro, pelas 21h30, na Casa Museu Bissaya Barreto, mais uma vez, Coimbra tem mais encanto quando "As guitarras não têm saudade".

 

Orelha Negra ao vivo no Porto nos 20 Anos Hard Club

2016 marcou o regresso dos ORELHA NEGRA à estrada e a estreia aconteceu em Lisboa, no grande auditório do CCB, a 16 de Janeiro de 2016, com lotação esgotada. Este espetáculo foi o mote para a digressão de 2016 que passou pelos principais festivais e eventos do país na qual foram apresentadas músicas inéditas que integram agora o mais recente disco da banda, ORELHA NEGRA, lançado em setembro de 2017. O novo disco conquistou o primeiro lugar do top nacional vendas, durante 2 semanas, na sua estreia marcando a história recente da banda com mais um sucesso.

dc3cd2e7-5adc-4d7a-b087-61641efe61cf

O espetáculo que os ORELHA NEGRA apresentam no Hard Club, Porto no dia 16 de Dezembro, acontece no âmbito da celebração dos 20 anos desta marca emblemática que veio do outro lado do rio, para o Mercado Ferreira Borges. Recebeu milhares de concertos e artistas e centenas de milhares de espetadores e celebra agora com os fãs, a comunidade e os demais o caminho que começou em 1997.

O alinhamento deste concerto integra muitos dos novos temas de ORELHA NEGRA e ainda alguns dos dois primeiros álbuns, não faltando os medleys surpreendentes aos quais a banda já nos habituou. Os sons que Sam the Kid, Dj Cruzfader, Francisco Rebelo, João Gomes e Fred produzem juntos são envolventes, mas ouvi-los e vê-los ao vivo, é um prazer verdadeiramente misterioso.

Os ORELHA NEGRA prometem um ritmado e envolvente reencontro com o público do Porto neste regresso muito aguardado. Antes disso, marcam presença no festival Vodafone Mexefest no dia 24 de novembro no Coliseu dos Recreios em Lisboa

João Afonso celebra "20 anos de Missangas" em Ponte de Lima

No próximo dia 25 de Novembro, pelas 21h30, o cantautor João Afonso apresenta-se no palco do Teatro Diogo Bernardes, em Ponte de Lima, com o seu mais recente espectáculo "20 anos de Missangas", o seu primeiro disco que marcou a música portuguesa e com o qual afirmou a sua criatividade, a par do legado musical do seu tio José Afonso.

23471968_1089164064519344_9173513550497840347_n

Juntamente com a sua banda, João Afonso dará um espectáculo comemorativo de duas décadas de música, com canções criadas ao longo destes últimos 20 anos, de “Missangas” a “Sangue Bom”, que o confirmam como uma voz ímpar na música da lusofonia e mantendo um estilo distintivo, marcado pela inovação e riqueza de composições.

O Citemor 2017 arranca esta sexta-feira...

A 39ª edição do Festival de Montemor-o-Velho tem início este fim de semana. O Teatro Esther de Carvalho acolherá a música da dupla Lavoisier, na sexta 17, e “Notas de um primata suicida” de Miguel Bonneville no dia seguinte, sábado 18, sempre às 21h30. No Quarteirão das Artes, também em Montemor-o-Velho, poderá visitar uma instalação vídeo com as três obras finalistas do LOOPS.LISBOA 2016. São os primeiros dias de um programa composto por oito propostas performativas, dois concertos e uma instalação video, que se estende até 9 de dezembro, entre Montemor-o-Velho, Coimbra e Figueira da Foz.

untitled11

Photo: Gui Garrido

 

A abertura do Citemor 2017 fica a cargo dos Lavoisier que, partindo do conhecido lema "na natureza nada se perde, nada se cria, tudo se transforma", se inspiraram nas recolhas de Giacometti e no cancioneiro popular português para criarem as suas versões que respiram contemporaneidade. Patrícia Relvas e Roberto Afonso acabam de lançar o primeiro disco de originais, “É Teu”, que servirá de base ao concerto da próxima sexta-feira.

 

"Notas de um primata suicida" é a última estação do projecto a "Importância de ser Paul B. Preciado” que Miguel Bonneville vem a desenvolver desde o final de 2016.

Após a residência de criação em Montemor-o-Velho, em agosto, Miguel Bonneville estreou em outubro “Arquipélago”, em Lisboa.  No final de um longo processo de criação, o artista revela a exaustão que advém da imersão - uma espécie de paixão que esmorece - nas obras e teorias de género do filósofo espanhol Paul Preciado e apresenta-nos uma performance singular – uma ilha.

“Notas de um primata suicida” é o último suspiro do projecto, a solo.

 

LOOPS.LISBOA resulta de uma parceria do Festival Temps d'Images Lisboa e do Museu Nacional De Arte Contemporânea - Museu Do Chiado, que pretende apoiar a criação na área da videoarte. A diversidade de olhares sobre o conceito de loop marca tanto os 135 trabalhos inscritos quanto os três finalistas do LOOPS.LISBOA 2016: trabalhos que também dialogam com o cinema, o teatro, a performance, o ativismo, a poesia. A exaustão do loop de “Zootrópio” de Tiago Rosa-Rosso Carvalhas; os segundos de terrorismo poético que se transformam em suspensão de tempo de “Today, I am just a butterfly sending you a sentence” de Patrícia Almeida; e a extensão dos limites do espaço de “Laje Branca” de Pedro Vaz, perfazem o recorte curatorial da segunda edição de Loops.Lisboa

"Of Shadows"… Novo disco de Fabrizio Cammarata lançado esta sexta-feira

Fabrizio Cammarata, cantautor italiano que lançou em julho "In Your Hands" - um EP de quatro músicas que antecipa o lançamento do seu novo álbum -, prepara-se para lançar esta sexta-feira, 17 de novembro de 2017, o seu novo disco "Of Shadows".

O novo disco de Fabrizio Cammarata já foi apresentado ao público português através dos seus mais recentes singles "Long Shadows" e "Come and Leave a Rose". "In The Cold" é o mais recente tema a ser revelado. No seu novo álbum, "Of Shadows" (produzido em Palermo por Dani Castelar - Paolo Nutini, REM, Editors), Fabrizio Cammarata lida, de uma forma muito pessoal, com os jogos de luz e sombras da sua própria vida. O artista diz que experienciou muito esta dualidade, "mais recentemente devido a uma intensa, excitante e emocionante relação falhada".

 

Fabrizio Cammarata compara o seu trabalho e os seus sentimentos na execução do mesmo a um eclipse solar - um fenómeno que, quando desconstruído e comparado a um nível individual, ilustra a luz e a sombra no nosso dia-a-dia. As músicas que constam no novo álbum "Of Shadows" foram escritas durante uma digressão que partiu de Palermo para o mundo. Mas o álbum parace transportar-nos para um pequeno e remoto laboratório de alquimia, onde Fabrizio Cammarata explora as suas próprias sombras num misto de memórias pessoais do presente e do passado.

 

Fabrizio Cammarata tem estado em digressão um pouco por toda a Europa. Esta digressão deverá incluir datas em Portugal a anunciar brevemente

Acaba de ser editado… “Sting: Live At The Olympia Paris”

“Live At The Olympia Paris” celebra os melhores momentos da grande carreira deste músico, já premiado com 16 Grammys, com interpretações surpreendentes das novas canções do seu álbum mais recente, “57th & 9th”, incluindo o viciante single “I Can’t Stop Thinking About You”, e a épica “50.000”, além dos êxitos dos The Police e da carreira a solo de Sting.

Sting_Paris_2D_blu_ray_lo_1

Neste concerto, Sting é acompanhado por uma banda formada pelo seu guitarrista de longa data, Dominic Miller, Josh Freese (bateria), Rufus Miller (guitarra) e Percy Cardona (acordeão), além do coro composto por Joe Sumner e Diego Navaira & Jerry Fuentes, dos The Last Badoleros. O DVD e o Blu-ray contêm como material bónus 9 performances de Sting com convidados especiais.

 

A digressão “57th & 9th World Tour” foi apresentada pela Live Nation e começou a 1 de fevereiro em Vancouver, no Canadá. Após um total de 115 concertos por toda a América do Norte, Ásia, América Latina e Europa (tendo passado por Portugal, pelo Festival MEO Marés Vivas), a digressão chegou ao fim no próximo dia 17 de outubro, na Roménia. O último álbum de Sting, “57th & 9th”, foi lançado em novembro de 2016 e atingiu o top 10 de vendas em vários países um pouco por todo o mundo.

"England is Mine"… a biopic de Morrissey nos cinemas

Estreia hoje, 16 de Novembro, em várias salas de cinema do país, o filme "England Is Mine" que é uma biopic sobre a vida do controverso artista Morrissey, ex-membro da banda de culto The Smiths, e que em 2006 aterrou em Portugal no Festival Paredes de Coura

onesheet

Um filme que conta a história de um artista de enorme sucesso com uma carreira a solo que abrange mais de 30 anos. Steven Patrick Morrissey, de 17 anos, é um jovem sonhador no seio de uma família demachista residente no norte de Inglaterra nos anos setenta. Quando o relacionamento dos seus pais começa a deteriorar-se, Steven (interpretado por Jack Lowen) isola-se e passa a maior parte do tempo a escrever letras de músicas rock para o grupo NME. Mas o que realmente anseia é tornar-se líder de uma banda. Reprendido pela timidez, ele fica paralisado por inação. É uma frase de Anji, uma amiga do escritor que o faz abrir os braços para o mundo. Muitos eventos são despoletados a partir daqui.

 

Realizado por Mark Gill, nomeado aos Óscares e Prémios BAFTA pelo seu espantoso trabalho de curta-metragem, The Voorman Problem, faz agora a sua primeira estreia, nesta viagem até ao Reino Unido e Manchester dos anos 70 e 80: a Grã-Bretanha de Tatcher, o desemprego, os tumultos. England Is Mine, Descobrir Morrissey é produzido por Baldwin Li e Orian Williams.

“O Apocalipse”… segundo Fernando Pessoa e Ofélia Queirós regressa aos palcos

O Apocalipse” reúne várias artes (literatura, teatro, música, canto, dança) em torno da ideia do reencontro de Fernando Pessoa e Ofélia Queirós no Cais das Colunas, num plano intemporal e visionário muito ligado ao imaginário de Lisboa, do Tejo e do Atlântico.

2ly5il8mpc7e

Num modelo inspirado no Apocalipse segundo São João, Ofélia revela a Pessoa a verdade fundamental sobre o sentido do seu encontro e do amor e obtém o reconhecimento do Pessoa ortónimo e dos seus vários heterónimos. A obra dá voz a passagens e momentos capitais da vida e obra de Pessoa e recria o episódio da Ilha dos Amores de Luís de Camões, em torno de Pessoa e Ofélia. A obra recria ainda aspectos fundamentais da mitologia cultural portuguesa, centrais em Fernando Pessoa, como a vocação universalista da mesma cultura para unir Oriente e Ocidente e contribuir para uma metamorfose da consciência e uma nova civilização mais fraterna em relação aos seres vivos e à Terra.

 

 

O projecto "O Apocalipse segundo Fernando Pessoa e Ofélia Queirós", de autoria de Paulo Borges, é um Espectáculo Interdisciplinar. Desafiado por Miguel Babo (produtor e actor) e escrito por Paulo Borges, professor do Departamento de Filosofia da Universidade de Lisboa e autor de vários livros sobre Fernando Pessoa, estende o convite a uma equipa de artistas multidisciplinares, contando com trabalho de imagem e multimédia de Luís Fernandes, com a direcção musical e composição original de Rui Filipe Reis e com a Amálgama Companhia de Dança | Sandra Battaglia na Coreografia e direcção de Movimento.

 

Cineteatro Municipal D.João V (Amadora)

25 Novembro 2017 | 21:30h

 

Vodafone Mexefest… Samuel Úria convida Ana Bacalhau & Gisela João

Faltam poucos dias para o festival mais cool do outono lisboeta. Nos dias 24 e 25 de novembro, a Avenida da Liberdade, em Lisboa, volta a encher-se de um público ávido pela melhor música do momento para mais um Vodafone Mexefest. São muitos os talentos que preenchem o cartaz desta edição, aos quais se junta uma surpresa de última hora: Samuel Úria, que atua dia 24, no Cinema São Jorge – Sala Manoel de Oliveira.

su

O músico português não vem sozinho e chama duas das vozes e personalidades femininas que mais admira e respeita no panorama musical português: Ana Bacalhau, para quem criou “Só Querer Buscar”, canção incluída no disco de estreia a solo da artista e que se escutará no São Jorge; e Gisela João, com quem ‘flirta’ artisticamente desde a estreia em disco da fadista. Esta admiração mútua dará frutos muito em breve, com o lançamento de material inédito.

 

De “Carga de Ombro” escutar-se-á, seguramente, o tema homónimo que deu título ao disco, “É Preciso que eu Diminua” ou “Dou-me Corda”, mas a noite não terminará sem que Samuel percorra as canções mais representativas da sua discografia – “Teimoso”, “Não Arrastes O Meu Caixão”, “Espalha Brasas” ou “Lenço Enxuto”.

Sumol Summer Fest 2018… Prepara-te para um fim de semana Wild!

Com uma localização privilegiada, no cenário de praia da emblemática vila da Ericeira, com toda a mística associada à meca do surf e um camping 5 estrelas, o Sumol Summer Fest regressa à Ericeira em 2018, nos dias 6 e 7 de julho, mesmo a tempo de celebrar o início do verão e das férias, ao som da melhor música Hip hop e o melhor ambiente com a praia a apenas 300 metros de distância.

SSF_Newsletter_600x270px

Prepara-te para um fim de semana Wild continua a ser o mote do Sumol Summer Fest, um fim de semana para os Party Animals porem as garras de fora e libertarem o seu lado mais selvagem: #estátudoàsolta.

 

Depois da edição esgotada de 2017, é importante reservar os dias 6 e 7 de julho para o fim de semana mais Wild de sempre! Por isso, não há que ter dúvidas, com o Natal a chegar vai ser possível adquirir já o Fã Pack FNAC Sumol Summer Fest, antecipando o início de um verão inesquecível.

 

Disponível a partir de hoje, dia 16 de novembro, em exclusivo nas lojas FNAC e em fnac.pt, o Fã Pack FNAC Sumol Summer Fest custa apenas 33€ e inclui o passe de dois dias com campismo e t-shirt oficial. Aleatoriamente estão 10 packs premiados com bilhetes dourados que incluem acesso à zona VIP e ao Sumol Summer Grill, um evento exclusivo só para convidados.

Livro "Miro & Music" de Joan Punyet Miró apresentado em Serralves

Miró & Music faz uma análise exaustiva do relacionamento de Joan Miró com a música, numa viagem desde os primeiros dias em Barcelona, quando esta desempenhou um papel central na sua formação artística, passando por Paris, onde estabeleceu uma estreita relação com alguns dos compositores mais proeminentes da sua época, até Palma de Maiorca, onde reuniu uma coleção de discos muito eclética, publicada pela primeira vez na sua totalidade.

1711_miro_j2_17130264015a09bad888a45

Joan Punyet Miró, neto de Joan Miró, é historiador de arte, comissário, escritor, poeta, artista de performance, administrador da Successió Miró e vice-presidente da Associação para a Defesa da Obra de Miró (ADOM). Nesta sessão em Serralves, dia 22 de Novembro, apresentará o livro de sua autoria e falará sobre a sua relação com o conhecido artista catalão.

 

Entrada Gratuita