Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

Tundra Fault solta tsunami de luz e cor em novo single

Tundra Fault termina 2017 com o lançamento do primeiro single do seu segundo álbum, “Coherence”. “Gotta Let You Go” é dançável, óbvio e violento, uma trip de ácidos pronta para a pista e para a depressão. O single desvenda ainda uma outra música que estará presente no álbum, “Giving Up”, e duas remisturas a cabo de JOFF. e FarWarmth.

a3836529291_10

A acompanhar o single vem o videoclipe, um tsunami de flashadas de luz e cor, definitivamente não apropriado para quem tenha epilepsia. Com a participação de Ana Vilaça e Vitor Garcia, o vídeo fala-nos de uma rapariga que decide terminar a sua vida. Dizem que quando o cérebro está a morrer, é como se se estivesse a ter a melhor trip de sempre. Esta é a dela. Uma afronta aos sentidos, impossível de não ficar colado.

Tundra Fault desvendou tudo isto num concerto único no gnration, em Braga, que desprendeu os pés do público numa experiência audiovisual memorável. Parte do Ocupa#2, Tundra Fault fechou a noite de concertos de projectos de música electrónica bracarenses em grande forma.

 

Tundra Fault é Miguel De, natural de Ovar, mas a viver em Braga. O seu primeiro trabalho, “Whole”, lançado no início de 2015, explorou o techno negro e violento, denso e texturado. Desde aí, viajou pelo noise e ambient, até aterrar no ácido dançável onde se encontra.

Está neste momento a trabalhar em “Coherence”, o seu segundo álbum, com lançamento previsto para 2018.

 

 

BONS SONS premiado com Sê-lo Verde

O BONS SONS recebeu, na semana passada, o prémio Sê-lo Verde como reconhecimento da sua dedicação à redução do impacto ambiental. Este prémio, atribuído na categoria “Educação” para festival com um número de visitantes entre 5 mil e 25 mil espectadores, distinguiu o bom desempenho da comunidade de Cem Soldos na organização do BONS SONS, e que se estende também a todos os visitantes do festival num forte agradecimento. O Bons Sons 2017 implementou um total de quatro medidas financiadas ao abrigo do programa Sê-lo Verde, duas das quais na vertente de Educação, que foram agora premiadas:

53c1b548-3eb6-4046-ad5c-b9a8e72b0747

Uma destas medidas foi um conjunto de vídeos de boas práticas ambientais, protagonizados por quem vive na aldeia e destinados a quem “Vem Viver a Aldeia”.

O objectivo destas mensagens foi divulgar medidas do Plano Ecológico e, assim, promover boas práticas ambientais no BONS SONS. Ao todo, foram criados seis vídeos, que pretendiam apresentar as medidas e incentivar a adesão dos visitantes relativamente à poupança de água, ao uso de sanitários secos, à separação de resíduos e à eliminação de copos descartáveis, só para citar alguns. As mensagens foram dadas pelos habitantes de Cem Soldos, o que permitiu aos festivaleiros conhecerem algumas das “caras” da Aldeia, melhor compreendendo que este espaço não é apenas um recinto, mas a casa de muitas pessoas.

 

Outra das medidas consistiu em acções de educação ambiental dedicadas aos mais novos. No Espaço Criança, os pequenos foram convidados para actividades que permitiram a aprendizagem de práticas ecológicas através da transmissão de conhecimentos relacionados com os ecossistemas e a sua protecção. Cada um dos quatro dias de festival teve um tema específico: Seres Humanos, Plantas, Animais e Clima. Foi dada particular atenção aos recursos utilizados através da adaptação de jogos já conhecidos (ex.: jogo da memória aplicado às espécies autóctones com estatuto de conservação), da utilização de material didáctico (ex.: leitura de contos dedicados à Educação Ambiental), da reutilização de objectos (ex.: garrafas de plástico para realização de sementeiras), e também da aquisição de material com melhor desempenho ou com certificação ambiental.

 

A edição 2017 do BONS SONS foi abrangida pelo financiamento do programa Sê-lo Verde criado pelo Fundo Ambiental do Ministério do Ambiente. Os prémios com o mesmo nome foram o resultado da análise de todas as medidas propostas pelos festivais nacionais no âmbito deste programa. Esta análise foi conduzida por um júri composto por individualidades do mundo da música, da inovação e do ambiente. A cerimónia de entrega de prémios decorreu dia 21 de Novembro, no armazém do artista plástico Bordalo II e visou distinguir a excelência de 8 dos 21 festivais a concurso. As distinções contemplaram 4 categorias de vector ambiental, divididas ainda consoante se tratasse de um pequeno ou grande festival, sendo estas:

 

Recursos: garantir um uso e gestão tanto eficazes como ambientalmente responsáveis dos fluxos de matérias consumidas na preparação, decurso e desmontagem do evento;

 

Energia: minimizar ou reduzir o consumo de energia de fontes fósseis, incluindo nos transportes e logística, garantindo eficiência e racionalização no consumo de electricidade;

 

Emissões: minimizar a geração de emissões (sólidas, líquidas, gasosas e sonoras) associadas ao evento, tendo em conta o seu ciclo de vida e a cadeia de valor associada;

 

Educação: acções de sensibilização do público, sobre o impacto ambiental das suas escolhas, que motivem a modificação de comportamentos antes, durante e após o evento de modo eficaz e duradouro.