Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

Revenge of the 90’s… Iran Costa é o convidado especial da noite de passagem de ano

Falta mais de um mês para a noite em que Lisboa se despede do velho 2017 para dar as boas vindas a 2018 e o Coliseu caminha a alta velocidade para a lotação esgotada. Hoje anuncia-se mais um argumento de luxo para este Revengeillon Noventeiro. Um dos artistas mais acarinhados e reconhecidos dos anos 90, em Portugal, Iran Costa.

f0116ced-c8d5-409a-aebe-964c3cd97f0d

O artista brasileiro é a surpresa principal desta noite que será certamente inesquecível e junta-se aos habituais nomes que fazem do Revenge of The 90s uma das festas de referência da noite nacional. DJ Dress Her, os Santa Manel, Galão com Coca, DJ Van Brallen e obviamente "A Viagem" com André Henriques e Paulo Silver são nomes já confirmados mas desengane-se quem achar que as surpresas ficam por aqui…. 

Twin Transistors em digressão com The Last Internationale

Os Twin Transistors voltam à estrada para acompanhar os The Last Internationale que regressam a Portugal depois de terem os palcos principais de festivais como o Vodafone Paredes de Coura e NOS Alive

be0cdb17-99e9-46b2-8e36-96e040bd4058

Delila Paz (voz) e Edgey Pires (guitarra), que se declaram nova-iorquinos nativos, criaram o grupo The Last Internationale em 2013. Assumem que a sua reputação se consolidou por cantarem poemas com consciência social e por terem explosivas actuações ao vivo, num misto de hard rock, rock alternativo e pós-grunge. Já com Brad Wilk, o baterista dos Rage Against the Machine, The Last Internationale fez sair o primeiro álbum em 2014, “We Will Reign” de punho erguido e bem cerrado. Preparam agora o novo longa duração, depois de nos últimos antes terem feito concertos e digressões ao lado de nomes como The Who ou Robert Plant e pisado importantes palcos portugueses como Vodafone Paredes de Coura e NOS Alive

 

Rock que se faz como uma barreira de três ingredientes: o formato canção, o psicadelismo e o experimentalismo. Não é preciso abdicar de nenhum para fazer um disco ou um concerto e os Twin Transistors são a prova disso mesmo. Ritmo, densidade, intensidade e potência numa celebração do melhor rock que tanto pisca o olho aos clássicos Spacememen 3 como aos contemporâneos LCD Soundsystem. Já pisaram palcos como o Hard Club e festivais como o Lisbon Psych Fest, o Reverence Valada ou o Indie Music Fest a apresentar o seu 1º disco “Sun of Wolves”.

Londrinos Wolf Alice dia 12 de Julho no NOS Alive'18

Os Wolf Alice são a primeira confirmação para o dia de arranque do NOS Alive’18. A banda londrina nomeada para um Grammy vai subir ao Palco Sagres dia 12 de julho para apresentar o segundo registo de estúdio “Visions of a Life”, lançado no passado dia 29 de setembro.

Wolf Alice 2017 01 - please credit Laura Allard Fleischl_preview

“Visions of a Life”, sucessor do aclamado disco de estreia “My Love is Cool”, veio para provar porque já há quem rotule a banda como um dos maiores nomes do rock alternativo mundial. O segundo álbum de estúdio foi produzido em LA pelo consagrado músico e produtor Justin Meldal-Johnsen, conhecido por trabalhos de bandas como Beck, Nine Inch Nails, M83 e Air. A banda gosta de salientar que apesar de gravado em Los Angeles, este não é um álbum de clichés e vai surpreender muitos dos fãs. O novo trabalho já foi considerado como um dos melhores discos do ano, por títulos como Q Magazine, NME e Drowned in Sound.

My Love Is Cool”, lançado em 2015, foi um sucesso imediato, tendo atingido o #2 nas tabelas britânicas e o #12 na tabela alternativa da Billboard, levando a banda a ser mencionada como a melhor aposta do indie britânico dos últimos tempos. Nos dois anos seguintes o grupo foi nomeado nos prémios Grammy, Brit Award, Mercury Prize, Ivor Novello Award, tendo vencido dois NME Awards, um iTunes Award e um UK Festival Award.

 

O quarteto é formado por Ellie Rowsell (voz, guitarra), Joff Oddie (guitarra, voz), Theo Ellis (baixo) e Joel Amey (bateria, voz).


Fotografia: Laura Allard Fleischl

Steve Tilston… Lenda viva da Folk Music apresenta-se pela primeira vez em Portugal

Nascido em Liverpool, Steve Tilston é um dos mais reconhecidos singer-songwriters da música folk. Exímio guitarrista e letrista, Steve Tilston conta já com 45 anos de carreira e mais de 20 álbuns editados.

Steve Tilston  - photo (c) Shay Rowan

Da sua vasta carreira, destaca-se uma carta com “conselhos muito pessoais” enviada por John Lennon a Tilston e que só 35 anos depois – há cerca de 10 anos – chegou às mãos do cantor/autor folk. Este episódio da sua vida serviu de argumento para o filme “Danny Collins” (2015), com Al Pacino a protagonizar o papel de Steve Tilston (Danny Collins no filme).

 

Dia 31 de Março, às 21h30, no Teatro Armando Cortez (Casa do Artista), em Lisboa, vai ter a oportunidade única de ver e ouvir pela primeira vez em Portugal uma lenda viva da Folk Music.

 

Joana Barra Vaz apresenta "Mergulho em Loba" em Ponte de Lima

O Teatro Diogo Bernardes, em Ponte de Lima, apresenta, a 2 de Dezembro, Joana Barra Vaz com “Mergulho em Loba, o seu recente trabalho que tem merecidos os mais variados elogios e destaques da parte da comunicação social da área musical.

20729164_2010701732497106_4719069289310647567_n

Joana Barra Vaz divide o tempo entre a realização e a música e, desde o lançamento do EP "Passeio Pelo Trilho" apresentou-se ao vivo como "flume" em várias salas do país, inclusivamente, no Teatro São Luiz, a convite de Sérgio Godinho. O primeiro longa duração foi editado em Setembro de 2016, figurando no topo de várias listas de melhores discos do ano.

 

Composto entre 2012 e 2013, "Mergulho em Loba" é uma viagem sonora com canções que se sobressaltam sem paragens, em suites, convidando o ouvinte a fazer esse percurso e a sentir a urgência de chegar ao fim com uma resposta na ponta da língua ou no embalo da dança

 

Fotografia: Pauo Homem de Melo

O segundo evento da Seteoitocinco está a chegar…

O segundo evento da Seteoitocinco está a chegar e vai ser tudo de bom!!

Vai contar com a atuação dos The Miami Flu e Jesus the Snake.

e6da396a-0dad-4d0a-ab68-63cae1436017

The Miami Flu é a nova banda de Pedro Ledo e Tiago Sales, metade da alma e coração dos Lululemon, que já lançou no mercado dois discos: “The Flying Fortress” (2012) e “Sinharaja” (2013), ambos registos instrumentais. Para avançar com a gravação deste novíssimo “Too Much Flu Will Kill You”, a dupla contou também com Tiago Campos na Bateria, membro dos Twin Chargers e João Vilar nas teclas, que nos Al Fujayrah toca guitarra.

Nova banda, novas sonoridades e uma boa novidade: Pedro Ledo, para além de não largar a sua guitarra Surf Green, empresta a sua voz às canções carregadas de ansiolíticos e outras drogas.

 

Jesus the Snake são um quarteto de Vizela e integram na sua composição o Jorge Lopes (guitarra), o João Alves (teclas), o Rui Silva (baixo) e o João Costa (bateria). Nasceu em Maio de 2016 e a sua sonoridade assenta no Stoner Rock e lançaram em Abril o single "Floyds I" e , em Junho, o seu sucessor, "Karma", daquele que será o seu auto intitulado primeiro álbum “Jesus the Snake”.

Este verão passaram por festivais como o Sonicblast Moledo e o Festival Ecos do Lima.

Álbum de estreia de Calum Scott “Only Human” chega em Março de 2018

Only Human”, o álbum de estreia de Calum Scott, será lançado a 9 de março de 2018. O artista revelação britânico partilhou o lyric vídeo do primeiro single, “You Are the Reason”. Escrita por Scott, Jon Maguire e Corey James Sanders, esta emotiva balada tocada ao piano é uma das várias canções produzidas por Fraser T Smith (Adele, Ellie Goulding) para o álbum. Scott também trabalhou com os produtores Jayson DeZuzio, Oak Felder, Oscar Gorres e Phil Paul.

CalumScott

“Compus este álbum com a intenção de me relacionar com pessoas de todo o mundo recorrendo às minhas experiências pessoais, esperando que se conseguir inspirar uma só pessoa a ser feliz sendo ela mesma, trazendo algum conforto ou fazendo alguém sorrir com a minha música, então todas as minhas experiências já tiveram um propósito”, disse Calum Scott.

No início deste ano, Scott concluiu a sua digressão nos EUA, com concertos esgotados por todo o país. O cantor interpretou "Dancing On My Own" em programas como Late Night with Seth Meyers, The Ellen DeGeneres Show, Good Morning America e Dancing with the Stars

The Flying Eyes ao vivo no Sabotage

Os norte-americanos The Flying Eyes apresentam dia 2 de Dezembro o mais recente trabalho "Burning of the Season", gravado nos Super Fuzz Studios no Rio de Janeiro com Gabriel Zander (Mars Red Sky).

22815294_1717405911643720_3350581092133414364_n

The Flying Eyes são oriundos de Baltimore e já tocaram ao lado de The Ravoenettes, The Black Angels, Ghost ou Dan Auerbach. São os fundadores do Farm Fest, um festival de música DIY em Maryland por onde já passaram grandes bandas como Black Moth Suer Rainbow, Celebration e White Hills.

 

Com os 2 primeiros discos editados em 2010 e 2011 conseguiram a atenção da Europa por onde fizeram várias tours por clubs nocturnos e onde estiveram presentes em diversos festivais dos quais se destaca Burg Herzberg Festival 2010, Orange Blossom Special Festival (DE), Stoned From The Underground (DE) e Trutnov Open Air (CZ).

Her Name Was Fire lançam o álbum "Road Antics" em Vinil e lançam novo video

Depois do lançamento em Janeiro de 2017 pela Blitz Records, os Her Name Was Fire lançam agora o mesmo em Vinil e prometem conquistar a Europa com o seu Rock, isto tudo acompanhado também por um video para o novo Single retirado de "Road Antics", “Wrong”, lançado esta quinta feira, 29 de Novembro.

cfd6e9f7-8b3c-4447-a3fc-ef51995109a2

O Video é ilustrado e criado pelo vocalista da banda João Campos. O concerto do lançamento do Vinil está marcado para dia 2 de Dezembro no Popular Alvalade em Lisboa.

Os fãs da banda que adquirirem esta edição limitada poderão candidatar-se a ganhar uma entrada num concerto exclusivo e intimista em Lisboa, numa data e local a serem anunciados aos vencedores por sms. O Vinil encontra-se à venda na Loja Online da banda ou então em concertos.

Richie Campbell avança com novo single com a participação de Slow J e Lhast.

Richie Campbell acabou de lançar um novo tema, chama-se “Water” e conta com a participação de um dos nomes em maior ascensão na música portuguesa, Slow J, e é produzido pelo jovem talentoso Lhast.

Richie Campbell - Water Cover

O lançamento foi feito através de um live no Youtube onde os 3 artistas, em estúdio, falaram sobre o processo de criação da música e em geral dos momentos distintos que vivem nas suas carreiras. Logo depois a música ficou disponível no canal Vevo do artista Richie Campbell.

Lhast e Richie tinham já colaborado no tema “Do You No Wrong” em 2016 e desta vez regressam com o “Setubalense”, Slow J, este último que tem tido um ano incrível depois do lançamento do seu primeiro álbum “The Art of Slowing Down”.

Water” é um R&B que mistura sonoridades orgânicas e digitais, e fala de relações únicas e transparentes.

Richie Campbell actua no Altice Arena no dia 2 de Fevereiro e a primeira parte ficará a cargo do luso-americano Mishlawi.

Ciclo “Isto é Jazz?”… Akosh / Benjamin Duboc

Depois de duos com Joelle Léandre, Gildas Etevenard, Denis Charolles, Sylvain Darrifourcq e Valentin Ceccaldi, eis que Akosh S., músico húngaro implantado bem no centro da cena francesa da improvisação e do jazz criativo – exilou-se no Hexágono quando a Hungria vivia em pleno regime totalitário –, enceta uma nova parceria, desta vez com o contrabaixista Benjamin Duboc.

akosh

O mesmo multi-instrumentista que tocou com duas figuras de topo do free jazz original, Dewey Redman e Don Moye, e colaborou com a banda de rock Noir Désir, encontra neste novo empreendimento uma via mais para expressar o seu estilo único e fortemente influenciado pela tradição popular do seu país de origem, colocando em jogo o livre abstracionismo do fraseado pós-coltraneano e um especial gosto pelas melodias folclóricas.

Pelo seu lado, Duboc encontra nesta dupla uma diferente oportunidade de traduzir na prática o conceito de que improvisar é "tocar o que se ouve" e "estar totalmente no presente", explorando fatores como a fluidez dos discursos e a diluição de elementos nas tramas construídas, bem como opondo noções como complexidade e simplicidade, sentido composicional e intensidade expressiva.

 

Culturgest / Pequeno Auditório (Lisboa)

2 de Dezembro 2017 | 21.30h

 

Photo: Matthias Creutziger

Três Tristes Tigres num concerto, sempre, diferente…

Esta sexta-feira, 1 de Dezembro, espera-se uma noite memorável no concerto de Três Tristes Tigres que, 13 anos depois, voltam aos palcos e às apresentações ao vivo, em registos que certamente ficarão na memória de todos os apreciadores da música de alta qualidade.

ttt_4x3_

Os Três Tristes Tigres nasceram nos idos de 1990, à volta de um gravador de cassetes rasca. Ana Deus e Regina Guimarães fabricavam informalmente colagens e canções. Antes da formação que dará origem ao primeiro CD, o jogo da escrita estendeu-se a Ricardo Serrano. Os primeiros concertos, no bar Aniki-Bobó (Ana Deus e Paula Sousa ao vivo, Regina Guimarães ao morto) assemelhavam-se a um cabaret pop, entre o poético e o corrosivo. “Partes Sensíveis”, de 1993, será o rasto da primeira configuração dos TTT. Depois da saída de Paula Sousa aprofunda-se a colaboração entre Ana Deus e Alexandre Soares que, entretanto, se juntara à banda como músico convidado. Dessa aventura artística nascerão dois CDs de originais – “Guia Espiritual” (1996), melhor álbum nacional do ano pela Blitz e “Comum” (1998) – e uma compilação, “Visita De Estudo” (2001) que, como o seu nome indica, contém revisitações, algumas distanciadas, de composições anteriores.

 

Em 2004, os Três Tristes Tigres fizeram, após ausência de quase três anos, uma meteórica aparição no Serralves em Festa. Só em 2017, graças ao convite para o Porto Best OF, se voltaram a juntar e actuaram com a cumplicidade habitual dos companheiros de estrada João Pedro Coimbra e Quico Serrano e a novidade da participação de Rui Pedro Martelo.

 

Jorge Palma dá a conhecer dois temas de “SÓ ao vivo”…

Um dia antes da edição, Jorge Palma dá a conhecer no seu canal de youtube duas das gravações que integram “SÓ ao vivo”. “Bairro do Amor” e “” são os 2 temas apresentados em primeira mão pelo artista na véspera da edição deste álbum.

Capa_booklet_JP

Gravado em 2016 nos concertos de comemoração dos 25 anos do álbum “” - no qual encontramos muitos dos seus temas mais emblemáticos, como  “Bairro do Amor”, “Frágil”, “Deixa-me Rir”, “Estrela do Mar”, entre outros - “SÓ ao vivo” inclui, além do CD, um DVD com temas ao vivo e apontamento documental.

O CD inclui os temas da edição original de “” -  à excepção de “Jeremias o fora da lei” -  a que se juntam “O lado errado da noite”, “Passos em volta” e uma versão de “Avec le temps” de Leo Ferré. O DVD apresenta 7 temas gravados nos referidos espectáculos, em que além de repertório de Jorge Palma encontramos as versões de “Avec le temps” e “Bird on the wire”, esta última de Leonard Cohen.

“Acontece que no ano passado (2016), a propósito do 25º aniversário da edição de ‘Só’, disco de voz e piano gravado em estúdio como se fosse num recital sem audiência (cada canção interpretada do princípio ao fim, sem interrupções, colagens ou ‘over-dubs’), disco esse que tem vindo a merecer cada vez mais o apreço do público, surgiu a ideia de se realizar uma série de 6 concertos com base no mesmo conceito: um grand piano e eu, executando os temas de ‘Só’ e, já agora, muitos outros, desta vez em palco e para vastas audiências. O projecto resultou em pleno, foram noites intensas – duas no CCB (Lisboa), duas na Casa da Música (Porto), uma no Convento São Francisco (Coimbra) e a última no Teatro das Figuras (Faro) – e a todo o processo, desde o planeamento, organização e execução até à qualidade e minúcia do trabalho de concepção e projecção vídeo e captação de som e imagem, sem esquecer o entusiasmo do público, seguiu-se uma rigorosa fase de pós-produção, criação e execução de capa e interiores, enfim, tudo pensado e levado a cabo para que o objecto final – CD e DVD (com canções e alguns extras) – agora à vossa disposição, seja um motivo de interesse e satisfação para todos nós.” Jorge Palma

 

Carla Pires regressa da tour no Japão…

Treze das melhores salas de espectáculo das principais cidades do Japão esgotaram para receber Carla Pires na tour que decorreu neste país entre 28 de Outubro e 14 de Novembro. Em Osaka, no Symphony Hall, a procura obrigou à realização de dois concertos no mesmo dia e a magnífica sala lotou as duas sessões.

A produtora japonesa contabilizou uma assistência total de trinta mil pessoas nos 14 concertos.

c89d3b71-a42e-46cc-aef2-157e9a492cf8

Foi mais uma etapa brilhante na carreira da fadista que tem tido um percurso único no Fado, pautado sobretudo por grandes digressões internacionais e actuações nos mais prestigiados teatros do mundo e nas salas mais cobiçadas como Ópera de Graz-Áustria, Ópera de Gent, Cirque d’ Hiver-Paris, Théâtre de la Ville-Paris, Södra Theatern - Estocolmo, Teatro Solis-Montevideu a que se acrescentam agora as magníficas salas japonesas com destaque para Osaka Symphony Hall, Okayama Symphony Hall, Hiroshima Bunka Gakuen Hall, Kobe International House,  Nakano Sun Plaza (Tóquio).

Nesta tour Carla Pires foi acompanhada por Bruno Mira na guitarra portuguesa, André Santos na guitarra clássica, Paulo Neves no contrabaixo, Nuno Tavares no piano e Raquel Merrelho no violoncelo e contou com a participação do convidado especial Cristiano de Sousa, fadista residente do Café Luso e vencedor da Grande Noite do Fado em 2007.

 

Na despedida ficou o abraço entre duas culturas cujos laços se estreitaram mais.

Missão cumprida, regresso prometido!

Casa da Memória de Guimarães publica livro sobre a sua exposição permanente

Este sábado, 2 de dezembro, a Casa da Memória de Guimarães (CDMG) apresenta, publicamente, um livro que dá a conhecer os processos que deram origem à sua exposição, “Território e Comunidade”. A edição está a cargo de Inês Moreira – arquiteta e investigadora, responsável pela curadoria da coleção permanente da CDMG – que, na mesma data, nos conduzirá pela exposição, enquanto convidada do Guia de Visita. Em dezembro, a Casa da Memória acolhe, ainda, a apresentação do número 11 da Veduta, uma publicação da Oficina dedicada ao património cultural, que tem sido lançada, anualmente, a 13 de dezembro.

0101-1

A tradição das passarinhas e sardões, que se celebra em Guimarães precisamente nesta altura do ano, será o tema do Domingos em Casa.

 

Território e Comunidade: da Fábrica Pátria à Casa da Memória de Guimarães” é o título da publicação que será lançada às 15h30, na Casa da Memória. Esta edição organiza-se em três tempos: presente – pela partilha de uma parte significativa dos processos de criação que deram origem à nova exposição permanente; passado – da reconversão da Fábrica de Plásticos Pátria em centro cultural; e futuro – propondo projeções sobre as expetativas e desafios da CDMG. A publicação é coordenada por Inês Moreira, que para ela contribui com um ensaio, assim como José Bastos, Sofia Romualdo, Ana Bragança, Francisco Brito, Andrew Howard, Miguel Guedes e José Carlos Melo Dias, Catarina Pereira, Eduardo Brito, Manuel Morais Sarmento Pizarro, e foi desenhada por Andrew Howard. A apresentação, aberta ao público, contará com uma conversa com Inês Moreira e convidados.

 

No mesmo dia, a partir das 18h30, Inês Moreira assume o protagonismo do Guia de Visita. Depois da apresentação do livro, a arquiteta, curadora e investigadora leva os visitantes numa incursão pela Casa da Memória e pelas suas próprias memórias.

 

No dia 10 de dezembro, às 11h00, a última edição do ano do Domingos em Casa convoca as famílias para o aconchego da Casa numa sessão que terá como mote a tradição das passarinhas e sardões. Nesta oficina, os participantes irão descobrir as formas que os nossos avós inventaram para falar e declarar o amor. Em conjunto, abordar-se-ão as formas como hoje demonstramos os nossos afetos.

 

No dia 13 de dezembro, data de celebração do passado vimaranense, a Casa da Memória partilha os trabalhos em curso no âmbito da investigação que a Oficina está a levar a cabo com o objetivo de atualizar o Caderno de Especificações do Bordado de Guimarães (17h00) e apresenta, ainda, o número 11 da revista Veduta (18h30), uma publicação da Oficina dedicada ao património cultural, lançada anualmente no dia em que se comemora a elevação do Centro Histórico de Guimarães a Património Cultural da Humanidade pela UNESCO.

Concerto de Natal Rádio Amália

A Rádio Amália volta a reunir no próximo dia 17 de dezembro, algumas das vozes mais reconhecidas do Fado, para um grande concerto, que será também uma celebração da época natalícia.

Estão já confirmados os primeiros nomes: Kátia Guerreiro, Hélder Moutinho, Ana Lains, José Gonçalez, Catarina Rocha e Rodrigo Costa Félix.

FestaNatal_RadioAmalia_Ticketline_1920x1080

As festividades e a canção mais lusa dão o mote para este grande Concerto de Natal da Rádio Amália, que vai reunir no Salão Preto e Prata do Casino Estoril, entre as 17h e as 19h, os ouvintes da rádio com alguns dos melhores representantes do Fado.

Discografia de António Zambujo reunida em caixa especial

Após ter sido nomeado recentemente para um Grammy Latino, António Zambujo edita agora uma caixa especial que reúne quase toda a sua discografia de álbuns de estúdio. Nesta edição podemos encontrar o recente “Até Pensei Que Fosse Minha”, disco de tributo a Chico Buarque, bem como “Rua da Emenda” (2014), “Quinto” (2012), “Guia” (2010), “Outro Sentido” (2007) e “Por Meu Cante” (2004). A caixa, simplesmente intitulada “António Zambujo”, chega às lojas no próximo dia 1 de dezembro.

foto

Esta edição torna-se numa oportunidade única de acompanhar o percurso singular de António Zambujo, começando com “Por Meu Cante”(2004), disco onde o fado e o cante alentejano vivem de mãos dadas, chegando a “Até Pensei Que Fosses Minha” (2016), composto por grandes clássicos de Chico Buarque, e no qual Zambujo contou com a participação de artistas como Carminho, no tema “O Meu Amor”, Roberta Sá, que participa em “Sem Fantasia”, ou do próprio Chico Buarque, com quem faz um dueto em “Joana Francesa”. O disco foi, inclusivé, nomeado para o Grammy Latino de Melhor Álbum de MPB (Música Popular Brasileira).

 

No passado dia 26, António Zambujo terminou, em Brasília, uma digressão que percorreu várias cidades do Brasil, concertos amplamente aplaudidos pela crítica e público. Ao longo do seu percurso, o cantor tem conquistado não só Portugal como também o mercado internacional, tendo atuado em França, Espanha, Suécia, Reino Unido, Luxemburgo, Letónia, Cabo Verde, EUA, Canadá, entre outros países.

Ricardo Ribeiro apresenta video da canção “Fadinho Alentejano”

Ricardo Ribeiro estreou ontem à noite nas suas plataformas online o videoclip da canção “Fadinho Alentejano” com as participações especiais do humorista César Mourão, da fadista Diana Vilarinho e do Grupo Coral Os Ganhões de Castro Verde.  

untitled

Realizado por Hugo Moura, o videoclip foi filmado entre Castro Verde e Lisboa, conseguindo capturar os dourados do Alentejo e a luz mágica lisboeta. “Fadinho Alentejano” faz parte do mais recente álbum do artista “Hoje É Assim, Amanhã Não Sei”.

O músico finaliza o ano com este vídeo e com vários objectivos alcançados. 2017 foi um ano repleto de pontos altos e momentos únicos. O fadista teve participações especiais nos concertos dos talentosos músicos brasileiros Ivan Lins e Yamandu Costa. Aceitou o convite do CCB para fazer a Carta Branca, fazendo uma abordagem única à obra do músico José Afonso. Foi nomeado mais uma vez para Melhor Artista do Ano pela prestigiada revista inglesa Songlines. Ganhou o Prémio Carlos Paredes promovido pela Câmara Municipal de Vila Franca de Xira e teve uma menção honrosa no Prémio José Afonso da Câmara Municipal da Amadora. Participou no álbum “Do Barroco ao Fado” do projecto Os Músicos do Tejo, gravado ao vivo no Grande Auditório da Fundação Calouste Gulbenkian e editado e distribuído pela prestigiada editora Naxos Records.

 

A todos feitos, juntou-se a divulgação constante do seu último álbum com vários concertos em todo o país e no estrangeiro.  Ainda este ano, Ricardo Ribeiro vai estar nos Açores e realizar uma digressão pela Bélgica. Para 2018 conta já com várias datas marcadas.

 

Fotografia: Hugo Moura

Lisboa. Cidade de Luz

Albúm fotográfico sobre Lisboa. Cidade de História, ponto de partida e ponto de chegada. Um álbum que nos guia pelo coração da cidade, a Baixa Pombalina, pelas ruas de Alfama subindo ao Castelo, ruas antes muralhadas ocupadas por romanos, bárbaros, mulçumanos e cruzados que nos deixaram vestígios históricos como o anfiteatro romano, a antiga mesquita principal, e o castelo dedicado ao padroeiro de Inglaterra, São Jorge.

AF Capa Lisboa

Não esquecendo o ritmo boémio do Bairro Alto e Cais do Sodré, onde lojas e livrarias históricas convivem com bares, galerias e clubes mais recentes.

Os Jardins de Lisboa, onde parques e botânicos se juntam para atravessar a cidade de verde... Passando ainda por Belém e Restelo, de onde partiram as caravelas rumo aos Descobrimentos, terminando no Parque das Nações, antiga zona industrial agora palco dos principais eventos da cidade

 

Uma edição Zest Books

O regresso a Portugal de Bob Dylan…

Bob Dylan, um dos maiores cantores, compositores e escritores de todos os tempos vai passar por Lisboa para um concerto em nome próprio dia 22 de março, na Altice Arena.

7921794d-5aaf-47cf-87f3-24041192f481

O músico já com 50 anos de carreira é conhecido por ter criado “novas expressões poéticas na tradição da canção americana”, bem como por ser um dos poetas mais consagrados do século XX. O valor do seu portfólio é hoje de valor incalculável com temas como “Stuck Inside of Mobile With the Memphis Blues Again”, “Just Like a Woman,Blowin' in the Wind”, “The Times They are A-Chagin”, “Hard Rain's A-Gonna Fall”, “All Along the Watchtower”, “Mr Tambourine Man” ou “Like a Rolling Stone”.

Uma oportunidade única de assistir ao vivo à grande voz de Bob Dylan, dia 22 de março, na Altice Arena, em Lisboa.