Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

LISBOA SOA… o festival que nos leva a viver a cidade de ouvidos bem abertos

De 1 a 4 de Setembro, a 1ª edição do LISBOA SOA, encontro de arte sonora, urbanismo e cultura auditiva instala-se no Jardim da Tapada das Necessidades com uma proposta inédita: escutar o mundo à nossa volta, tornando-o mais sustentável através da arte, da reflexão e do debate.

Durante quatro dias, aquele espaço único da capital vai ser o palco para fruição de algumas das mais originais obras sonoras de alguns dos mais originais questionadores artistas da actualidade. Como é o caso de Marco Barotti que apresenta, pela primeira vez em Portugal, "Swans", peça feita de antenas parabólicas que flutuam num lago transformando-se num pequeno bando de cisnes em movimento e em linha com a música, o vento e a água. Em conjunto com os altifalantes instalados, a ideia é provocar no espectador uma sensação de tempo familiar, ainda que peculiar, questionando o poder dos media mainstream.

lll.jpgJá o português João Bento propõe uma viagem sonora ao interior do Jardim dos Cactos explorando as suas características sonoras como se os habitássemos e escutássemos. Ainda também possibilidade de ver e experienciar "Becoming" da dupla @C; "Insono, O Ouvido Secreto das Plantas" da Sonoscopia ou "Inhabited Soundscapes" de Rudolfo Quintas.

As performances e concertos são também parte essencial do programa e pretendem partir do diálogo com o espaço onde se encontram. Na Estufa Circular, poderá assistir-se à apresentação ao vivo, em formato trio, do design sonoro minimalista e multi-sensorial da aclamada artista Camille Norment, ouvir os sons terrenos mas etéreos do veterano japonês Akio Suzuki ou as deambulações electrónicas do português Rafael Toral.

Maile Colbert e Rui Costa propõem o passeio sonoro "Park Past" para famílias dos 0 aos 80 com a premissa de discutir a importância do som e da escuta e de expressar os sons que ouvimos de forma criativa. "Uma Orelha no Jardim" é o workshop construído por Carlos Santos que através de um conjunto de exercícios que envolvem a escuta, a gravação e a componente plástica pretendem levar à descoberta de como descobrimos os lugares através do som.

Estas são apenas algumas das razões que fazem do LISBOA SOA um momento ímpar na cidade de Lisboa, uma ideia e criação da investigadora Raquel Castro, profissional há muito dedicada ao estudo do som como parte essencial da identidade dos locais, realizadora do documentário "SoundWalkers".

A proposta é, através da arte e da escuta, parar no tempo, suspender a atenção e ver com os ouvidos. Escutaremos atentamente as plantas, os lagos, os pássaros e toda a envolvência do jardim, como a omnipresente Ponte 25 de Abril ou os barcos que passam no Tejo.

 

De 1 a 4 de Setembro de 2016, no Jardim da Tapada das Necessidades, LISBOA SOA, encontro de arte sonora, urbanismo e cultura auditiva, é uma co-produção EGEAC e Produtores Associados, inserido na programação do Lisboa na Rua 2016.

 

1 Setembro 2016

17h - 20h - Instalações no Jardim

19h - Allard van Hoorn (Performance) + info

20h - Akio Suzuki (Performance) + info

 

2 Setembro 2016

10h - 20h - Instalações no Jardim

19h30 Camille Norment Trio (Concerto) + info

 

3 Setembro 2016

10h - 20h - Instalações no Jardim

14h30 - "Uma Orelha no Jardim" com Carlos Santos (Workshop) + info

19h - Rafael Toral (Concerto) + info

20h - Phonopticon (Concerto) + info

 

4 Setembro 2016

10h - 20h - Instalações no Jardim

11h - 12h - "Park Past" com Maile Colbert e Rui Costa (Passeio Sonoro) + info

18h45 - Darkless de Rudolfo Quintas (Escultura Sonora e Performance) + info

19h - "A que deve soar a cidade sustentável e acessível para todos?" - Mesa redonda com...